Arquivo de outubro de 2012

Refresque-se: exercícios dentro da água

Postado por em 31/out/2012 - Sem Comentários

O verão nem chegou ainda, e já podemos ver nos noticiários do Brasil, o calor que tem feito em algumas cidades. E que tal aliviar o calor e ainda se exercitar dentro da piscina?

Investir em atividades aquáticas, além de refrescante, ajudam a conquistar o corpinho sonhado mais rápido: toda atividade feita na água é muito mais intensa e os estoques de gordura se esgotam com mais velocidade, ou seja, você emagrece mais rápido.

A tradicional natação é uma boa pedida: trabalha todos os músculos, é aeróbica e ainda é benéfica para o sistema respiratório. Vale também a hidroginástica. Novas modalidades têm surgido de adaptações das aulas que são bem conhecidas nas academias como jump, spinning e até  o pilates.

 

Por serem exercícios dinâmicos, as atividades na água estão podem ser feitas por qualquer pessoa,  já que também tonificam, enrijecem e aumentam a força corporal.Uma vantagem é que a água é um agente massageador natural que ajuda no relaxamento e minimiza a ação do peso corporal durante a atividade. Além disso, os riscos de lesão diminuem muito por conta do baixo impacto.

É importante ressaltar que o gasto calórico vai depender mais da intensidade com que os exercícios são feitos do que do meio em que é praticado. Quanto mais velocidade e amplitude do movimento, mais calorias serão perdidas.

 

 

Exercícios físicos e gastos calóricos

Postado por em 29/out/2012 - Sem Comentários

Diferentes tipos de exercícios físicos consomem quantidades diferentes de calorias! E você sabe qual gasta mais?

Fizemos uma lista com a média de calorias gastas em cada exercício! Confira!

– Jogar basquete: ao jogar basquete, em ritmo acelerado ou em uma competição, por exemplo, a média de calorias gastas seré de 630kcal

– Já na caminhada, em um ritmo acelerado,  andar 5 km em uma hora queima 222kcal

– Se caminhar é muito lento para você, aposte na corrida! Um perrcurso de 10 km feitos em uma hora, manda embora 638kcal

– A peladinha com os amigos, 500kcal da conta!

– A partida de volêi com as amigas  contribui para perder 234kcal a cada hora de jogo!

– Se o calor já está te incomodando, uma boa opção para mandar 666kcal para o espaço é a natação. O surf, para aqueles que moram pertinho da praia, manda  342kcal embora e ainda relaxa a mente!

– Curte exercícios em academia? A bicicleta fixa garante a perda de 377kcal em média, para cada hora praticada. Ginástica em ritmo leve pode levar até 171kcal embora! Mas se você já consegue apertar o ritmo, pode perder até 306kcal

E aí? Tá esperando o que para começar a se exercitar?

 

Óleo de coco

Postado por em 24/out/2012 - Sem Comentários

Gorduras boas devem fazer parte da nossa rotina alimentar sim! O óleo de coco é um ótimo exemplo! Ele é uma gordura saturada, de origem vegetal, que tem ajudado muita gente a perder peso e controlar o colesterol. Especialistas recomendam, em média, 4 colheres de sopa do produto, que é 100% natural, com propriedades que favorecem a perda de peso, controlando o colesterol ruim e os níveis de açúcar no sangue.

Por isso, nós te damos sete ótimas razões para consumi-lo ! Confira abaixo!

Controla a compulsão por carboidratos – Além de todos esses benefícios, o óleo de coco certamente deve ser um alimento que não pode faltar na dieta de quem tem diabetes ou de quem não resiste a uma guloseima. “Assim como os alimentos ricos em fibras, ele ajuda a manter níveis estáveis de glicose no sangue e não estimula a liberação de insulina, o que diminui a compulsão por carboidratos”, explica a especialista Cátia Medeiros. Ao contrário de outros óleos poli-insaturados, que dificultam a entrada de insulina e outros nutrientes dentro das células, o óleo de coco favorece essa entrada e, por isso, a taxa de açúcar no sangue fica normalizada.

Promove a saciedade – Por ser uma gordura, o óleo de coco tem uma digestão diferenciada. “Ele permanece mais tempo no estômago do que um carboidrato, por exemplo, o que aumenta a sensação de saciedade”, explica a nutricionista Cátia Medeiros. Com o apetite reduzido fica mais fácil segurar a vontade de petiscar o dia todo, hábito que pode sabotar a dieta e, consequentemente, o desejo de emagrecer.

Acelera o metabolismo – De acordo com a nutricionista Maria Fernanda Cortez, da clínica Nutri & Consult, em São Paulo, se consumido diariamente, o óleo de coco aumenta o gasto energético do organismo. “Ele estimula o funcionamento da glândula tireoide, que está diretamente ligada ao nosso metabolismo, o que aumenta a queima de calorias”, explica. Assim, não adianta apostar em dietas radicais se essa glândula e, consequentemente, seu metabolismo não está funcionando adequadamente. O ponteiro da balança simplesmente não sairá do lugar.

Melhora a prisão de ventre – Por ter rápida absorção e solubilidade, o óleo de coco também é amigo do intestino. “Seus componentes agem normalizando o trânsito intestinal”, diz Cátia Medeiros. As ações benéficas para o intestino também valem no caso de o intestino solto, pois ele ajuda a eliminar bactérias perigosas e favorece o crescimento da flora intestinal saudável.

Reduz o colesterol – O bom funcionamento da tireoide, favorecido pelo consumo de óleo de coco, também garante a redução do colesterol LDL (colesterol ruim) e a elevação do colesterol HDL (colesterol bom). “Isso ocorre porque essa glândula consegue metabolizar esse componente na formação de hormônios essenciais”, explica a nutricionista Maria Fernanda. Com a normalização da taxa de colesterol sanguíneo há diminuição do risco de doenças cardiovasculares.

Combate o envelhecimento precoce – “O óleo de coco promove a diminuição de radicais livres presentes no organismo, responsáveis pelo envelhecimento celular”, aponta a Maria Fernanda. Segundo ela, isso acontece graças a ação de componentes da vitamina E, presentes no óleo. Até certo nível, os radicais livres são benéficos para o corpo, mas o acúmulo pode causar não só o envelhecimento precoce, como também o desenvolvimento de um câncer em decorrência da oxidação de células saudáveis.

Fortalece o sistema imunológico – Outro benefício do óleo de coco é o fortalecimento do sistema imunológico. “Ele age no combate e na prevenção contra o ataque de bactérias e fungos que ameaçam nossa saúde e ainda melhora a absorção de nutrientes, reforçando as defesas do organismo”, explica Maria Fernanda. Isso ocorre devido ao ácido láurico, também presente no leite materno e que tem o poder de combater inúmeras infecções.

Redação com Minha Vida

 

 

6 dicas para incluir a caminhada no seu dia a dia

Postado por em 18/out/2012 - Sem Comentários

Se sua vida anda agitada e sem tempo para nada, que tal modificá-la um pouquinho só para se manter mais ativo? Então te damos seis dicas de como realizar seis pequenas mudanças para incluir uma caminhada de leve!

1.Ir ao trabalho a pé – Se seu destino está a menos de 2 km, deixe o carro na garagem. Você escapa do estresse do trânsito e ainda não polui o ar. De quebra, se exercita. Também economiza o dinheiro do combustível.

2. Almoçou fora? Volte andando – A caminhada ajuda na digestão e evita aquele sono depois das refeições. Você volta ao local de trabalho mais animada e produtiva. Experimente!

3. Leve seu cachorro para passear mais vezes – Além de ser uma ótima forma de distração, você dedica mais tempo ao seu bichinho de estimação e ainda interage com a natureza.

4. Prefira a escada ao elevador – Difícil escolha, né. Mas tente incluir esse tipo de exercício aos pouquinhos dentro da sua rotina. Seu condicionamento físico melhora e você ajuda a economizar energia. Depois de algumas semanas, já sentirá diferença na disposição.

5. Faça pequenas compras caminhando- Economizar dinheiro é sempre bom: abdicando do carro, você passa a comprar apenas o necessário. E poupa até um pouquinho de gasolina.

6.  Passeie mais no fim de semana- Resista à tentação de ficar largada no sofá de sexta a domingo. Uma caminhada no parque revigora e alivia o estresse da rotina da vida diária.

Redação com RUNNER´S WORLD

Vitamina D

Postado por em 16/out/2012 - Sem Comentários

A vitamina D pode ser obtida de duas formas: através da exposição ao sol ou com a ingestão de alimentos que são ricos na substância. Essa vitamina aumenta a absorção do cálcio, além de melhorar a saúde da pele e agir no combate à depressão.

Algumas pessoas optam por ingerir este nutriente em cápsulas, para alcançar a recomendação diária, que é de 600 International Units (IUs) para adultos.  Mas existem muitas fontes naturais e, incluindo um pouco a cada dia em sua dieta, você pode trazer muitos benefícios para o corpo. Confira alguns exemplos:

Salmão
Existe um número grande de alimentos marinhos com altas doses de vitamina D. O salmão está no topo da lista. Aproximadamente 100g do alimento enlatado oferecem 650 IUs, mais do que você precisa para um dia.

Atum enlatado
Cerca de 100g de atum enlatado e conservado em água fornece 154 IUs, quase um terço do que pede a recomendação diária. O atum conservado em óleo contém ainda mais vitamina D, no entanto, é mais gorduroso.

Sardinha
Outro alimento enlatado que pode ser uma opção para uma dieta mais rica em vitamina D é a sardinha. Duas latas destes pequenos peixes oferecem 46 IUs, que representam cerca de 13% do valor recomendado diariamente.

Gema de ovo
Uma gema grande de ovo contém 37 IUs de vitamina D. Além disso, ovos são boas fontes de proteína e, apesar de serem associados ao colesterol, não estão ligados ao aumento de risco de problemas cardíacos.

Queijos
Uma fatia de queijo suíço contém cerca de 6 IUs, é menos processada e contém menos sódio do que o queijo americano. Um copo de ricota oferece 25 IUs, mas deve ser consumida com moderação, pois também possui gordura.

Bife de fígado
Cerca de 100g de bife de fígado pode prover 42 IUs de vitamina D, além de ser uma ótima fonte de ferro.

Cogumelos
Alguns tipos de funghi, quando mais expostos à luz solar, podem conter níveis benéficos de vitamina D. Dê preferência às marcas que priorizam este tipo de cultivo.

 

Redação com Terra

Dicas para se exercitar na academia

Postado por em 08/out/2012 - 2 Comentários

Você sabia que existem pequenos detalhes que fazem a diferença na hora de se exercitar na academia? Eles podem te ajudar a perder peso, ganhar massa muscular ou mesmo evitar lesões. Confira algumas dicas preciosas!

– Movimentos lentos – a velocidade  que executamos os movimentos é diretamente ligada a resposta do músculo: ao invés de contrair devagar e relaxar rápido, demore um pouco mais na fase final do exercício – a abertura das pernas na cadeira adutora e a descida dos braços na rosca bíceps, por exemplo – se quiser potencializar o crescimento do músculo. O ideal é que a fase de relaxamento leve o mesmo tempo ou mais do que a contração.

-Menos peso – reduzir o peso pode contribuir para aumentar seu rendimento em algumas atividades específicas  como o leg press e o supino, desde que você aumente o número de repetições – faça séries de 15 em vez de 8.

– Use a bola – Malhar o abdômen na bola, por exemplo, pode ser mais eficiente e divertido do que aqueles abdômens no chão. Para manter o equilíbrio em cima da bola você ativa os músculos do core – grupo de músculos do abdômen e de parte das costas–  e contrai os glúteos, além de trabalhar as porções da barriga já acionadas quando faz o exercício no solo.

-Não pare! – mantenha sua frequência cardíaca elevada e queime mais calorias! Durante a musculação não pare entre uma série e outra:  termine as repetições de um, passe direto para outro e volte ao anterior, tudo sem descanso.

– Corra intervalado – alterne o ritmo durante a corrida:  alterne ritmos forte com outros leves. Isso faz com que o seu gasto energético seja mais elevado do que a corrida em velocidade contínua, e o melhor: mantém o metabolismo rápido – e, portanto, a queima de calorias é alta – por até 48 horas depois do fim da atividade!

Qual a diferença entre os horários de treino?

Postado por em 03/out/2012 - 1 Comentário

Muita gente diz que  malhar de manhã faz o dia ser mais ativo. Outros preferem a parte da tarde para se exercitar. E muitos outros preferem praticar exercícios físicos à noite.  Afinal de contas, há diferenças quando se treina pela manhã, à tarde ou no final do dia? Como o nosso corpo se comporta?

Isto varia de acordo com o organismo de cada pessoa.“Logo cedo, a musculatura está acordando, digamos assim, e talvez demore um pouco mais pra entrar no ritmo. À tarde e à noite, os músculos estão mais soltos, o que pode facilitar a prática de atividades físicas”, comenta Samir César Sabadin, professor de educação física com especialização em Fisiologia. Outros fatores como o excesso de sol e o estresse ao longo do dia podem influenciar o rendimento da atividade física.

O treino noturno não é recomendado para hiperativos, já que a atividade física à noite deixa a pessoa “mais elétrica”, fazendo com que haja uma interferência na qualidade do sono. No entanto, isso varia de pessoa para a pessoa. “Em treinos à noite, você ativa a musculatura, o que deixa você mais “vivo”, então talvez isso atrase um pouco o sono. Mas tudo precisa ter um ajuste fisiológico porque o atleta precisa ajustar o horário para o repouso e para comer, além de seguir todas as rotinas de treino”, reforça o professor.

Como antes de qualquer atividade física, a alimentação precisa ser controlada e balanceada. “O ideal é se alimentar com uma hora e meia, em média, antes do treino. Mas logo cedo, se a pessoa vai para a academia às 7h, digamos, ele não vai acordar às 5h50 só pra comer. O ideal é comer coisas leves e evitar leite e cereais, por exemplo. Eles podem provocar diarreia durante o treino”, lembra Samir.

Depois do treino, para recuperar o organismo, a aposta são as proteínas e os carboidratos. “A proteína faz a reposição muscular e o carboidrato é fonte de energia”, reforça o fisiologista. Outro aviso importante para os atletas, independente do período em que treinam: água e isotônicos para hidratar, de 100ml a 150ml a cada 30 minutos de atividade.

Redação com Hagah

Facebook

© 2017 Abdômen Definido - Todos os Direitos Reservados